Entrevista com a autora Sinéia Rangel

27 de janeiro de 2017
Ela é escritora, mãe, psicóloga e leitora sagaz. Uma baiana arretada que é amante do rock. Ama poesias e histórias de amor; tem um coração gigante e está sempre pronta para ouvir.

Nossa convidada especial, é parceira do Lua Literária, escreve histórias de amor sempre com temas humanos que acabam mexendo com o coração (e o psicológico) dos leitores.

Sinéia Rangel nos forneceu uma entrevista exclusiva, onde conta um pouco sobre seus livros. Num bate-papo descontraído, falamos sobre Simplesmente Complicado, Bem me Quer e ainda sobre seu mais recente trabalho, Paixão Sustenida.O resultado vocês conferem agora mesmo.



Bia: Vamos começar falando sobre Simplesmente Complicado. A obra traz personagens jovens, descobrindo o primeiro amor. Ao ler, pra mim que sou adulta, foi como uma viagem no tempo: pude lembrar a minha própria adolescência, dos medos, confusões, amizades e dramas. Para os mais jovens, acredito que foi uma experiência completamente oposta. Posso enxergar lições, algumas partes ainda provocam reflexões. Ao público a que se destina, foi sua intenção criar um enredo em que os jovens se identificassem e ao mesmo tempo tirassem algo de positivo do enredo?

Sinéia: Sim. Adolescência é uma fase tão complicada, cheia de conflitos, mas também uma das fases mais lindas da nossa vida. Há tanto para descobrir e aprender, acho meio injusto que apenas os problemas sejam lembrados, porque ser adolescente é mais do que ser um aborrescente, é viver com intensidade. Há uma urgência e cobrança muito grande em relação ao primeiro beijo e a iniciação sexual, o que gera muita ansiedade e, algumas vezes, grandes desilusões, por isso acho importante valorizar e incentivar o diálogo com os pais e as relações de amizade.




Bia: Como foi o processo de construção do livro?

Sinéia: Não era para ser um livro, haha. A história da Alícia e do Pedro surgiu a pedido da minha filha e deveria ser uma coluna para a revista online do Blog que ela administra, assim a cada mês seria publicado um capítulo e teríamos um conto. Contudo, após a publicação do primeiro capítulo, ela, várias amigas e os leitores do Blog ficaram pedindo pela continuação da história e começou os pedidos para postar no wattpad; o que era algo impensável, morria de vergonha. Depois de muita insistência com direito a chantagem emocional (risos..) concordei em publicar na plataforma, desde que fosse com um pseudônimo. Quase dez meses depois foi que assumi a autoria. 


Bia: Foi a primeira obra que você escreveu?

Sinéia: Comecei a escrever criança, então tenho muitos caderninhos com poemas e algumas crônicas, mas um livro era uma espécie de sonho inconsciente.


"A história da Alícia e do Pedro surgiu a pedido da minha filha..."


Bia: Simplesmente Complicado trata-se de uma trilogia. O que podemos esperar nas continuações? 

Sinéia: No segundo livro os personagens estarão vivenciando a transição para a vida adulta e Alícia estará em busca de si mesma, tentando responder a pergunta que nos acompanha desde pequenos: “o que vou ser quando crescer?”
O terceiro livro representa o marco do amadurecimento para os personagens do livro 1 e 2, nesse momento eles deixam de ser os protagonistas, e, lado a lado com os novos “atores” dessa história, eles irão vivenciar dramas que perpassam a vida como um todo. Esse é um livro que aborda um mix de temas, é difícil resumir.



Bia: Você lê muito também. Traz alguma coisa de outras obras para suas estórias? 

Sinéia: Diretamente não, no entanto é complicado dizer que não tem algo do que leio no que escrevo, porque o que leio se torna parte de quem sou, assim como o que escrevo carrega um pedacinho meu. Eu gosto muito de poesia, e talvez seja só viagem minha, mas acho que há um pouco de poesia na minha escrita.


"(...) talvez seja só viagem minha, mas acho que há um pouco de poesia na minha escrita."


Bia: Bem me quer é um conto que também traz adolescentes. Porém, a atmosfera quando comparamos com Simplesmente Complicado, é totalmente diferente. No conto temos problemáticas fortes, como gravidez na adolescência, bullying; e o livro é mais inocente eu acho. Como foi trabalhar temas tão fortes em poucas linhas?

Sinéia: É engraçado que Bem me quer tenha perpassado por temas fortes, porque ele não foi planejado. Havia um mês que não postava nada no wattpad e estava recebendo muitas mensagens no mural e inbox, perguntando quando iria postar algo novo, então tive a ideia de escrever um conto. Quando escolhi os temas que dariam contorno ao enredo, queria assuntos que pudessem incitar uma reflexão, apesar da brevidade, e tive que me conter muitas vezes, porque senão o conto viraria um livro, e o que me ajudou nesse processo foi estabelecer a discussão de um tema por capítulo.



Bia: Acredita que Bem me quer tenha sido um desafio a você?

Sinéia: Sim! Bem me quer foi um desafio por muitos motivos: primeiro, queria que as personalidades ficassem perceptíveis no primeiro contato do leitor com os personagens; segundo, a história tinha que ter um significado, precisava dizer algo ao leitor; terceiro, não sabia como fazer um final. Tenho um problema sério com finais, fico em luto a cada final que preciso escrever, e em Bem me quer foi absurdamente difícil, porque sentia que os personagens precisavam construir a sua história, isso precisava estar claro para o leitor e, depois de tudo, eles mereciam um final amorzinho.






Bia: O conto traz personagens que, apesar de jovens, são muito maliciosos. Impossível não se lembrar de Isabella, personagem extremamente cruel. Como foi construir Isabella? O que você, como escritora, quis passar para o público jovem trazendo essa parte ruim de um personagem tão jovem?

Sinéia: Já contei que teremos outro conto? Haha, e será a história da Isabella. A personalidade de Isabella foi a mais difícil de moldar, ela representa a maldade humana, é o produto de uma sociedade que ensina as nossas crianças que elas podem ter o que querem, quando bem entendem, pois os fins justificam os meios. A cena mais significativa da Isabella, aquela que resume o motivo de ter construído alguém tão cruel é quando ela abre o jogo com Clara e confessa que passou a odiá-la porque queria ser e ter a vida dela; e não se trata de bens materiais, ela fala sobre relações familiares; acho que é essa a mensagem que Isabella traz, a importância dos vínculos familiares no desenvolvimento da personalidade.


"(...) fico em luto a cada final que preciso escrever..."


Bia: Ainda sobre Bem me Quer temos reviravoltas incríveis. Você precisou utilizar de muita coerência para o desenvolvimento dessa trama. Não temos pontas soltas no final, e falando de forma positiva, não sentimos aquela necessidade de mais, pois todo o enredo tem um desfecho digno. Porém, é impossível não querer mais dos personagens. Tem algum plano de talvez transformar o conto em livro? Ou dar continuidade para alguns personagens?
Sinéia: Alguns leitores me escreveram pedindo para transformar o conto em livro, mas o projeto que quero desenvolver consiste em criar contos para outros personagens. O próximo conto terá a Isabella e o Arthur como eixos centrais, o título é Uni-duni-tê.


"Paixão Sustenida é a minha cachaça. Escrever um NA foi um desafio..."


Bia: Agora vamos para Paixão Sustenida. Pude acompanhar de perto todo o desenvolvimento do livro, e repito que foi uma experiência única e prazerosa. O livro nasceu no Wattpad, conta pra gente todo o processo inicial da obra.

Sinéia: Paixão Sustenida é a minha cachaça. Escrever um NA foi um desafio, porque tenho muita dificuldade com hot, alguns termos me incomodam, repetição em descrições hots me irritam, para completar tinha o JP como narrador; e ninguém merece homem sem pegada de homem, então tive que encontrar o meu equilíbrio para as obscenidades do JP e um hot que me deixasse confortável em escrever. Só comecei a postar a história no wattpad depois de ter escrito mais de vinte capítulos, porque precisava saber se conseguiria desenvolver a narrativa. 
Antes de iniciar a escrita, criei um vocabulário de metáforas tendo como base os termos musicais, porque enquanto musicistas, era importante para mim que a história fosse envolvida por uma atmosfera musical. A parte das personalidades foi complexo, além do JP e da Hannah serem opostos (enquanto ele é o Sr Intensidade, ela é mais contida emocionalmente) e de ter amarrado as músicas iniciais dos capítulos de acordo com o jeito de ser de cada um, tinha os amigos que eram peças chaves no enredo. Não queria que eles apenas estivessem ali, sabe? Então, tentei criar personalidades bem distintas e que pudessem contribuir no amadurecimento do JP e da Hannah.



Bia: Sabemos que uma obra publicada pela plataforma do Wattpad é um pouco diferente da publicada inteira em e-book ou física. Assim sendo, considerando a plataforma do Wattpad, como foi o desenvolvimento de P.S.?

Sinéia: Principal diferença: HOT. Gente, a versão wattpad teve muito hot, porque tinha sempre um pedido novo, até quando eles estavam brigados a galera queria hot, mas esses não rolavam (assim não dá, (risos)...). No wattpad o livro não teve divisões, fui postando, postando e postando, quando percebi estava no capítulo 100, aí “peraí, Sinéia! Até o capítulo 110, no máximo”. Defini qual seria o desfecho e fui amarrando as pontas para chegar ao fim, consegui parar no 108 (uhuuu). Uma coisa legal no wattpad é porque os leitores vão tentando desvendar o que vai acontecer e eles vão deixando as teorias nos comentários, em dois momentos de Paixão Sustenida fiz um jogo com eles, onde pedia para eles levantarem hipóteses sobre o algum evento e quem acertava ganhava brindes do livro.


"(...) até quando eles estavam brigados a galera queria hot..."


Bia: Os comentários dos leitores são muito calorosos, e muitas vezes pedimos por algo no enredo. Você é o tipo de autora que ouve os conselhos e pedidos dos leitores, mesmo que isso mude completamente o seu desenvolver no enredo?

Sinéia: Não. Atendo muitos dos pedidos, mas desde que não interfira no enredo. Em P.S. houveram inúmeras mensagens e comentários pedindo por cenas hots, e como o erotismo era parte da personalidade do casal (carinhosamente apelidado de “casal ninfo”, haha), não via problema em atender; sempre conseguia encaixar um hot aqui e acolá. Em Café com Amor, no entanto, não pude fazer o mesmo, apesar dos vários pedidos de cenas hot e outros relacionados aos “crushs” da personagem, porque era uma história com uma abordagem diferente, a proposta era discutir o amadurecimento da personagem, tanto em relação aos relacionamentos quanto a sua sexualidade.



Bia: Paixão Sustenida é um livro intenso com personagens intensos. Porém, principalmente em relação aos protagonistas João Pedro e Hannah, posso afirmar que eles são muito humanos, bem próximos mesmo à realidade. Foram inspirados em pessoas reais?

Sinéia: Não, eles são um pouquinho de cada um de nós. Quando idealizei as personalidades deles queria que fossem reais, porque é uma história com uma problemática simples, que só acontece porque eles cometem erros que se alimentam do medo e insegurança de errar, que é a essência do ser humano.


"(...) eles são um pouquinho de cada um de nós."

Bia: Devido a intensidade e até mesmo a humanidade destes personagens, os leitores acabam ou amando-os demasiadamente ou odiando-os na mesma medida. Veja bem, Hannah começa abandonando um verdadeiro príncipe, e por isso é difícil não odiá-la. Com o passar das páginas, João Pedro começa a mostrar seu lado “sapo”, sendo muito difícil não recriminá-lo. Ao elaborar toda a personalidade dos personagens, bem como as problemáticas por eles enfrentadas, você já imaginava a reação dos leitores? Como lida com isso?

Sinéia: Sim. Adoro, (risos). Quando você ama e/ou odeia os personagens de uma história significa que eles conseguiram te envolver, não tem recompensa maior para um escritor. Morria de rir no wattpad, porque nos primeiros capítulos todo mundo xingando Hannah, daqui a pouco estavam todos revoltados com o JP, e foi assim boa parte da história. Hannah, definitivamente, tem menos fãs que o JP, tenho leitoras que a odeiam, outras entendem os erros e decisões dela desde o início, é essa diversidade de opiniões que torna fantástica a experiência de escrever.


"Quando você ama e/ou odeia os personagens de uma história significa que eles conseguiram te envolver, não tem recompensa maior para um escritor."


Bia: Como está sendo a recepção de Paixão Sustenida desde o seu lançamento na Amazon?

Sinéia: Até o momento as críticas estão sendo bem positivas, algumas leitoras querendo me matar por causa do fim, que está longe de um final (risos), mas é algo que gosto, porque significa que houve um envolvimento com a história e os personagens.



Bia: Teremos novidades em 2017? Conte um pouco para nós.

Sinéia: 2017 é o ano da Hannah e do JP. Inicialmente, tinha a possibilidade de publicar o físico ainda no primeiro semestre, contudo, avaliando o preço de capa proposto e o cenário literário e econômico atual, conversei com o editor e adiamos esse projeto. Então, o foco de trabalho são os ebooks, no final de fevereiro será o lançamento de Paixão Sustenida: desencontros e ainda não tenho uma previsão para o livro 3. 
No wattpad, estou escrevendo Minha Exceção, é uma história que aborda temas mais pesados, como abuso sexual e HIV. Tenho outros projetos em mente, mas sempre faço um breve intervalo entre uma história e outra, porque gosto de estruturar a personalidade dos personagens, montar um escopo do enredo e pesquisar sobre a temática antes de iniciar o processo de escrita.



Bia: Deixe um recado para quem ainda não conhece suas obras.

Sinéia: Como diria Hannah, por todos os deuses, que difícil!
Se você gosta de montanha-russa, fortes emoções, muito drama e uma boa dose de gargalhadas, está esperando o que? 
Vem logo conhecer esse bando de loucos que dão vida as minhas insanidades e façam o meu sorriso do gato da Alice brilhar. Beijos.^^


Vocês podem acompanhar tudo sobre a autora e suas obras clicando nos links logo abaixo:

Quero agradecer a Sinéia pela entrevista, amei o resultado e espero que volte sempre aqui no blog. 

E vocês, gostaram? Já leram algum livro da autora? Pretendem ler? Comentem!

Beijos e até mais.




Post por: Bia Gonçalves
Sua maior paixão são os livros que lhe fazem viajar. Odeia mesmices, por isso adora se aventurar nas páginas de uma boa fantasia e se prender a um terror daqueles de parar o coração.
4 Comentários | BLOGGER
Comentários | FACEBOOK

4 comentários:

  1. Olá, tudo bem? Nossa, muito bacana a entrevista! Adorei saber um pouco mais da autora e fiquei curiosa para ler os livros dela...

    *Seguindo seu blog
    Beijos,
    Duas Livreiras

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi Larissa! Fico feliz que tenha gostado, e espero que se renda mesmo às obras da Sinéia.
      Beeijos

      Eliminar
  2. Oi Bia, tudo bem?

    Não conhecia a autora, mas achei interessante, principalmente Paixão Sustenida, gosto bastante de NA! <3 E Parabéns pela entrevista!

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderEliminar

 
© Lua literária - Agosto/2016. Todos os direitos reservados.
Criado por: Maidy Lacerda
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo