Resenha: O Mythos - M R Terci

4 de julho de 2016
Título: O Mythos
Autor: M R Terci
Publicação Independente
Páginas: 285
Skoob
Comprar: AMAZON
Sinopse: "Os gringos tiraram as divindades do próprio quintal e trouxeram seus ídolos, seus mártires crucificados, seus santos imolados, seus caras orelhudos e seus lances de macumba para dentro dos santuários e dos locais de adoração e poder dos Antigos Deuses Brasileiros.Essa terra já foi Deles e, pelo visto, voltou a ser."
Tudo começou com sangue e, assim, deve terminar.
O detetive P. Pastore, vulgo Pastor, é um profissional de reputação duvidosa, conhecido por trabalhar para gente da pior espécie na Cidade Baixa. Quem o conhece de perto, sabe que o melhor a fazer é se afastar, sair do caminho desse toxicomaníaco com sérios problemas psicológicos, um homem sem esperanças a meio caminho do suicídio que vê, ouve e sente coisas que só existem nos limites de sua delirante percepção.
Quando uma misteriosa funcionária da embaixada russa o contrata para encontrar sua protegida, a filha do embaixador, tudo muda. Para pior. Seguindo suas pistas, numa infindável trama mitológica, Pastor enlouquece de vez e executa a garota na Baía das Águas Claras.
Preso em flagrante, o detetive é conduzido ao Distrito Amarelo.
Agora Pastore tem apenas uma noite para convencer os investigadores de que o melhor que todos têm a fazer é encomendar a alma a Deus e jogar roleta russa na sala de interrogatórios.
Uma visão contemporânea e insanamente desapiedada sobre a mitologia desenvolvida por Monteiro Lobato. Uma história negra, com um crescendo de loucura e perversidade que conduzem o leitor ao clímax diabolicamente inusitado.
Bem-vindos a esta viagem alucinante às raízes folclore brasileiro, numa dramática infusão da beberagem do horror cósmico com 100% malte de divindades brasileiras.
O Mythos é recomendado para os doentes da razão e os degenerados do espírito. LEIA SEM MODERAÇÃO. Persistindo os sintomas, um xamã devera ser consultado.

A melhor parte em ser blogueira é o privilégio do contato direto com os autores. Só o fato de você trocar meia dúzia de palavras com a pessoa que foi responsável em te provocar algum tipo de sentimento, é algo inexplicável.

Eu tinha uma imagem muito diferente de escritores. Não sabia que poderiam ser tão humanos. E ao constatar essa humanidade, confesso que alguns perderam essa facilidade de provocar fascinação em mim.

Outros, com o contato frequente, se mostraram mais fantásticos e menos humanos, e com isso, a cada nova história; conseguem ganhar meu total fascínio enquanto leitora. Um desses autores é a figurinha repetida do blog, M R Terci.

Sei que é o nome mais citado aqui e a explicação para tantas menções ao autor se deve ao fato de eu ser fã das suas produções literárias. Posso jurar para qualquer pessoa que, quando leio uma nova obra, fico na expectativa de não gostar, de trazer uma crítica negativa só para surpreender meus leitores.

Adianto que ainda não será dessa vez. 

Já faz um tempinho que o autor vem divulgando um novo trabalho nas redes sociais. Esclareceu que estava trabalhando na escrita de um roteiro para a produção de uma minissérie televisiva, dirigida por Janderson Geison. Fiquei muito curiosa, meu lado fã gritava para que eu mandasse mil e uma mensagens implorando ao autor para que me enviasse detalhes desse projeto. Meu lado blogueira ética pedia para que respeitasse seu sigilo, e aguardasse mais informações.

Não sei como consegui controlar esse lado fã que é tão maluco, mas consegui. E um belo dia, sem pedir ou mandar aquelas indiretas no feed de notícias, Terci enviou o roteiro para que pudesse ler.
Leitores, eu agradeci formalmente, fingindo achar tudo aquilo muito normal, porém meu coração estava aos pulos, fiz a dança da vitória e quando estava prestes a contar para o mundo inteiro, o autor pediu sigilo. E recentemente, com o respaldo do Janderson, ele autorizou que a resenha fosse ao ar.

E hoje é sobre essa obra que irei falar. Queria que fosse em vídeo, para que vocês pudessem ver toda minha empolgação, porém não tenho uma voz legal, então vamos ficar na escrita mesmo.

Lunáticos e lunáticas, a resenha é exclusiva. Sintam-se honrados, pois estão sendo os primeiros a saber mais sobre O Mythos. Tranquem as portas e as janelas, que o fim do mundo está logo ali.

Ao contrário das demais obras que já li do autor, estava completamente no escuro. Não sabia nada sobre o enredo, nem mesmo o nome dos personagens, e não tinha ninguém para conversar a respeito.

O enredo se inicia com a prisão do personagem Pastore. O clima desde a primeira linha já é tenso.

Os policiais demonstram repudiá-lo, a população se encontra completamente revoltada com esse cara. E assim sendo, desde a primeira linha, somos tomados pela curiosidade em saber o motivo de sua prisão, e entender o que homem fez para promover tanto ódio entre as pessoas.
"Esse olhar de homem morto machuca mais que as algemas apertadas que ferem meus pulsos."
Pastore é o personagem principal. Ex-militar, atua como detetive particular. Sua esposa e filha morreram num acidente de carro. Sua ficha criminal é mais suja que "pau de galinheiro". 

Na sala de interrogatório, junto ao delegado Erval e ao inspetor Carijó, o leitor terá acesso exclusivo ao depoimento de Pastore, acusado de ser o temível Homem de Palha, assim chamado pelos jornais.
"O fim do mundo começa no homem.
E foi com um homem que começou."
Homem de palha é um assassino em série que sequestra suas vítimas e após dois dias envia suas vísceras aos familiares, devolvendo os cadáveres recheados de palhas. O mais revoltante, é que entre suas vítimas estão crianças. 

A medida que Pastore relata os fatos, somos levados a uma trama recheada de suspense, terror e fantasia. E fica difícil concluir se ele é louco, herói ou psicopata. 
"Ele e todos nessa sala estão mortos, mas isso pode estar acontecendo apenas na minha cabeça."
Um dos primeiros casos que é abordado no interrogatório, é sobre o desaparecimento de 44 crianças que estavam em excursão para o museu Monteiro Lobato em Taubaté. O veículo nunca chegou, o motorista foi encontrado morto e a professora e as crianças foram levadas não se sabe por quem. Há indícios que colocam Pastore na cena do crime. 

Em seguida, nos é contado que Pastore foi contratado por um embaixador russo para procurar sua filha que desaparecera.

Sendo o cara um detetivinho comum, por que uma figura tão poderosa quanto um embaixador russo, que tem uma equipe fortemente treinada, o contrataria para buscar sua filha? 

A medida que as páginas correm, o leitor se prende numa teia fabulosa, onde o medo é sua única companhia. Tudo é surreal, você não sabe em quê acreditar, e de repente percebe que o fim do mundo está mais perto do que imagina. 
"Algumas profecias nem sempre aparentam acontecer, mesmo quando acontecem."
Para início de conversa, se você é fã de Monteiro Lobato precisa saber que essa obra tem uma relação muito intensa com o autor. Terci introduziu características Lobatianas no enredo, e ao ler, irá se sentir muito familiarizado com alguns personagens. Mas tome cuidado, não se engane pensando que vai encontrar uma releitura dark da turma do Sítio do Picapau Amarelo. Os nomes e algumas características de personagens conhecidos de Monteiro Lobato foram usados por Terci em seus próprios personagens.

Cresci com as histórias de Lobato, assim quando surgia um personagem que eu conseguia relacionar com os do sítio, ficava extasiada. Foi mágico! Senti que estava num jogo de enigmas, onde precisava saber de quem Terci estava falando. O autor nos traz uma história inédita, e pude concluir que a relação com aquilo que já conhecia de Lobato, me dava mais uma sensação de dejavu do que de qualquer outra coisa. Confesso que no início, quando percebi o que tinha em mãos, achei que seria difícil acreditar no que o autor mostraria, já que são nomes conhecidos, que imediatamente o cérebro processa e dá vida ao personagem que você assistiu ou viu uma imagem qualquer. Grande erro, é preciso lembrar que os personagens de Terci são únicos. Quando ele me jogava um nome, como por exemplo Quindim, eu até lembrava do rinoceronte do sítio, mas ao conhecer aquele que ele criou, a minha imaginação projetava o que o autor queria. 
"A palavra, envelhecida pelas eras, só precisa de sangue para se fazer ouvir."
Na obra temos também o folclore nacional muito enraizado. São crenças e figuras muito conhecidas pelo brasileiro. Sou fascinada pelo folclore, adoro livros que abordam a temática e amo ouvir estórias a respeito. Nascida e criada no interior de São Paulo, confesso sem nenhuma vergonha que acreditava em muitas lendas folclóricas.

Provocar medo no leitor com elementos tão conhecidos, não é tarefa fácil. Eu não imaginei que a Pisadeira pudesse me causar tanto pavor sob a perspectiva de Terci. Ele manteve tudo aquilo que um dia nos foi contado a respeito dessas criaturas folclóricas, porém sem deixar de lado sua essência.
"O medo do homem morto não é igual ao medo do vivo. O vivo presume, ao passo que o morto sabe."
Assim sendo, a característica do autor em criar personagens bem como enredos únicos e originais, está presente mesmo com a participação de ícones do folclore nacional. 

Ainda falando sobre personagens, preciso destacar a presença mais constante da figura feminina na obra. Desta vez, o autor trouxe uma personagem mulher empoderada, que tem uma função totalmente necessária na trama. 

Se na infância Monteiro Lobato me encantou com personagens tão fantásticos, hoje na vida adulta M R Terci me arrebatou com um enredo tão incrivelmente rico e fascinante. Nunca li nada igual, é impossível prever o desenrolar. 

Geralmente, quando leio vários livros de um mesmo autor, em um curto intervalo de tempo, começo a prever os acontecimentos do enredo. Esse fato não acontece com Terci, cada trama tem sua própria exclusividade. 

Eu não sei como explicar o que é ler O Mythos. A obra é capaz de prender, encantar, amedrontar e fazer com o que o leitor se apaixone. 

A viagem é mágica e perturbadora ao mesmo tempo. Os dizeres de Pastore são tão difíceis de serem digeridos; ora, afinal sou uma adulta e não deveria ter tempo para dar atenção a tantas besteiras. Seria tão prático acreditar em sua culpa e ponto final, pois tudo leva a crer que ele é um louco, psicopata.  Porém, Pastore despertou alguma coisa dentro de mim, e foi muito fácil dar vida ao que ele dizia, como se eu estivesse ali, vivenciando tudo. E fiquei na dúvida: seria ele louco ou herói?
"Ninguém que voltou dos mortos teve vida longa. Nem o próprio Cristo ficou muito tempo. Aceite isso. Você não estará sozinho."
Todo leitor tem um livro xodó, aquele favorito de todos os tempos. Macunaíma é um livro que, para mim, trouxe uma visão bem diferente da especificada pela maioria dos leitores. A mistura do folclore com a comédia e até mesmo com a realidade infeliz do brasileiro, provocou-me risos e encantamento.

A escrita diferente de Mário de Andrade, que causou estranheza para muitos, foi prazerosa pra mim.

Fazer gracejos com as crendices foi algo inovador. Terci se demonstra tão inovador quanto Andrade ao misturar literatura, folclore e terror; trazendo um resultado espetacular. 

Disse no início que será uma minissérie de TV, produzida pela Estrada Films. Estou mega nervosa, porque sei que o diretor irá ler minha resenha, e isso causa mais medo em mim que a própria Cuca.

Acredito que Janderson tem uma puta responsabilidade de dar vida aquilo que já está tão vivo na minha mente; ele terá de ser tão fantástico quanto Terci.

O Mythos não é meu livro predileto. Ele ocupa o lugar que apenas Macunaíma ocupou até hoje. É o meu livro favorito de todos os tempos.

Terci conseguiu mais uma vez, mostrar que o medo pode ser encantador e cheio de aprendizagem. 

E para quem eu recomendo? Para todos que amam literatura; sejam críticos, resenhistas, mas acima de tudo, para leitores que gostam de se aventurar em mundos fantásticos.
Nota: 5/5 
Sobre o Autor:
M. R. Terci é escritor e poeta. Antes de se dedicar exclusivamente a escrita, foi advogado com especialização em Direito do Trabalho e Direito Internacional. Começou a carreira de escritor em 2004, escreveu centenas de contos e recebeu vários prêmios por suas participações em antologias e concursos de poesia. Nascido em São Paulo, em 1973, M. R. Terci busca honrar aos Deuses da Criação Literária, devotando-se ao solitário trabalho de traçar destinos através dos meandros do horror sobrenatural. Sua escrita tem como característica a pesquisa histórica, primando sempre pela composição poética de cada parágrafo penejado. Com base em fatos históricos, o escritor substitui os castelos medievais pelos casarões coloniais, as aldeias de camponeses pelas cidadezinhas do interior, os condes pelos coronéis e as superstições por elementos de nosso folclore e crendices populares, verdadeira transposição do gótico para a realidade brasileira. Seus livros não são apenas para os fãs do gênero horror. Seu penejar é para quem aprecia uma narrativa envolvente, centrada na experiência subjetiva dos personagens mediante as possibilidades que o contexto sobrenatural de suas estórias permite. É o criador da série O Bairro da Cripta, composta por contos de terror que colocam os clássicos do terror universal sob o lume dos lampiões de querosene dos sertões paulistanos do século XIX. Os dois volumes iniciais da pentalogia, Elegias e Epitáfios, foram publicados pela Editora LP-Books, respectivamente em outubro de 2014 e maio de 2015. Seguirão, ainda, as Exéquias, os Epicédios e as Endechas do Bairro da Cripta. Atualmente M. R. Terci trabalha no desenvolvimento de Os Imperiais de Gran Abuelo – As Crônicas de Pólvora e Sangue e As Crônicas dos Negros Céus. O primeiro livro dessa série de fantasia e horror apresenta os soldados imperiais treinados pelo General Osório no reinado de Dom Pedro II, às voltas com monstros sobrenaturais libertados pelo caudilho Solano López no desfecho da Guerra do Paraguai.
                                   Fanpage | O Mythos | Skoob | Twitter | Site Oficial
Outras Obras já publicadas do Autor:

O BAIRRO DA CRIPTA - tomo I Tinha uns olhos da cor da tempestade O BAIRRO DA CRIPTA - tomo II  Os Santos de Colditz 















Post por: Bia Gonçalves
Sua maior paixão são os livros que lhe fazem viajar. Odeia mesmices, por isso adora se aventurar nas páginas de uma boa fantasia e se prender a um terror daqueles de parar o coração.
45 Comentários | BLOGGER
Comentários | FACEBOOK

45 comentários:

  1. Nossa! Perfeito! Aliás, como tudo que sai da imaginação deste escritor fenomenal! Sou muito fã dele! Aguardando ansiosamente que O Mythos tenha uma versão para os amantes de livros...

    ResponderEliminar
  2. Excelente resenha! Como fã de M. R. Terci, estava na expectativa para saber mais sobre "O Myhtos". E minhas expectativas foram atendidas! Como em todas as suas obras, o autor traz uma proposta original e inovadora, com elementos de um terror universal e atemporal, mesclados aos malassombros do folclore de nossa terra. Como sempre, permaneço na torcida e fico na animação para ler esta obra impressa, com a escrita rigorosa e precisa, com o encantamento e o terror que são a marca registrada de M. R. Terci. E, claro, só crescem as expectativas de vê-la magistralmente adaptada para as telas.

    Maurício da Fonte Filho

    ResponderEliminar
  3. Se é Terci é coisa boa! Amei a resenha, que não deixa dúvidas de que Myhtos será tão ou mais incrível que o restante da obra do M.R. Terci. Ansiosa pra assistir a minissérie, e também pra poder me deleitar com uma versão física do livro. :)

    ResponderEliminar
  4. Oi, Bia!
    Eu não sabia desse livro, mas sua resenha me despertou interesse. Curto muito histórias de terror, já os filmes...
    Beijos
    Balaio de Babados
    Participe da promoção de aniversário do blog Crônica sem Eira

    ResponderEliminar
  5. Ansioso por essa obra.
    Tenho certeza que será tão bom e envolvente como as demais obras.

    ResponderEliminar
  6. Apesar de ser escritor, sempre tive um apreço maior por biografias e história do que propriamente romances, isso pode até depor contra mim.
    Justamente é esse o maior atrativo em Terci.
    Ele se preocupa em componentes históricos ricamente pesquisados em seus livros, explora nosso rico folclore e sua biografia apresenta um homem que teve coragem de largar sua profissão e se dedicar de corpo e alma a literatura, o que sabemos que não é nada fácil no Brasil.

    ResponderEliminar
  7. Mais um para a lista de ansiedades 2016! Acompanho o Bairro da Cripta desde o primeiro livro. Tenho o Caídos também. Certamente, entendo você quando menciona "livro favorito de todos os tempos"!!! Parabéns pela resenha, tô com uma invejinha branca de ti por ter lido antes! hshshshs. Esse, pelo visto, supera tudo!

    ResponderEliminar
  8. O tipo de livro pelo qual sou fascinada!!! Folclore e terror.
    Level up para os nacionais!

    ResponderEliminar
  9. Sabendo da qualidade dos escritos de Terci, minha curiosidade sobre o Mythos quase triplica lendo essa resenha.

    Aguardo ansiosamente essa obra desde que soube de seu desenvolvimento. Nada menos que genial virá dessa produção. Que venham os Mythos!

    ResponderEliminar
  10. Primeiramente, parabéns pela resenha! Sei muito bem como é difícil escrever sobre uma obra que gostamos, você fez isso muito bem. Com relação a Mythos, estou bem ansioso, como todos os fãs do Terci devem estar. É uma nova fase na carreira do autor e eu tenho certeza que ele irá superar todas as nossas expectativas. Vamos aguardar a obra e conversar sempre que possível para diminuir a ansiedade :D

    ResponderEliminar
  11. Já conheço os escritos do Terci do Bairro da Cripta. Como escritor, ele foi o responsável por minha conta de força aumentar. Difícil não deixar uma luz acesa depois de ler seus livros. Parabéns pela excelente resenha, vou divulgar em minha página. O Mythos sem dúvida vai ser uma de minhas futuras compras!

    ResponderEliminar
  12. Este comentário foi removido por um gestor do blogue.

    ResponderEliminar
  13. Hummmm... hora do almoço e que resenha boa! É meninas... Hora de reverem seus conceitos a respeito dos nacionais. Esse aí não está pra brincadeira! São M R Terci protetor do terror brazuca! Ansiosa pra comprar mais um livro dele.

    ResponderEliminar
  14. Olá Bia....
    Nossa que resenha é essa que eu acabei de ler????
    Não conheço o escritor nem sua literatura,mas posso dizer que ja virei fã???
    Eu amo livros polemicos e de leitura difícil, amo ler sobre assassinos e suas formas de assassinato (não me julgue)...
    Nossa fiquei louca para ler os livros e com certeza vou procurar saber mais sobre suas obras...
    Arrazou na resenha
    Beijuh
    http://curaleitura.blogspot.com.br

    ResponderEliminar
  15. Olá Bia....
    Nossa que resenha é essa que eu acabei de ler????
    Não conheço o escritor nem sua literatura,mas posso dizer que ja virei fã???
    Eu amo livros polemicos e de leitura difícil, amo ler sobre assassinos e suas formas de assassinato (não me julgue)...
    Nossa fiquei louca para ler os livros e com certeza vou procurar saber mais sobre suas obras...
    Arrazou na resenha
    Beijuh
    http://curaleitura.blogspot.com.br

    ResponderEliminar
  16. Olá!

    Legal ver o carinho que você tem pelo autor! Não o conhecia, mas ele tem uma senhora carreira! caramba, que honra e que confiança o autor tem em você para te passar com exclusividade um roteiro! Adorei o post, espero poder ver logo essa série na TV!

    ResponderEliminar
  17. Oi Bia, sua linda, tudo bem?
    De queixo caído, com a boca aberta, totalmente sem chão. Nossa!!!! Você deveria ser escritora, crítica literária, crítica de séries, o que quiser. Estou arrebatada pela sua resenha. Que escritor é esse? Esse roteiro vai virar livro também, ou só irá para TV? Se for para a TV, nos avise, que não posso perder. Não sei nem o que dizer depois de uma análise como essa. Impossível não querer conhecer o trabalho dele. Estou louca para ler seus livros e conhecer essa série. Amei!!!! Amei!!! Amei!!!
    beijinhos.
    cila.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi Cila lindona! Sim, vai virar livro e minissérie de TV!!! Vou te mantendo informada, fique tranquila.
      Beijos e muito obrigada ♥

      Eliminar
  18. Mas que coisa do destino!! Eu acabei de receber o livro "O Bairro da Cripta Tomo I" de presente! Nem conhecia o autor!... Gostei de ver que você não só o conhece, como já é fã de suas obras há tempos, tanto que recebeu a honra de ler e resenhar a obra ainda nem publicada! Gostei da premissa, envolve muito suspense, com um toque de terror. Estou torcendo de verdade para que seja produzida! Quand tiver mais notícias, avise! bj!

    ResponderEliminar
  19. Oi Bia, tudo bem minha linda...
    Que resenha maravilhosa.... fiquei aqui estatelada na cadeira lendo e voltando para ler mais sobre o que você resenhou.... nossa o enredo te fisgou mesmo ein... e que responsabilidade... parabéns... meu orgulho por conhecer alguém como você só aumenta... e eu adoro sua opinião e levo muito a sério suas dicas e tu sabes disso... adorei toda essa mistura... quero conferir a mini série... adorei tudo que li aqui e acredito que será uma produção e tanto... você falou com tanto carinho e admiração que acredito que não será diferente... parabéns viu... xero!!!

    ResponderEliminar
  20. Oiiii!!
    Gostei muito da forma que você resenhou. Demonstrou muito bem sua empolgação ao ler a história. Achei bem legal, nunca imaginei nada parecido rs
    Misturar os personagens de Monteiro Lobato em uma história de terror..
    Proposta interessante a do autor. Gostei bastante.
    Beijos

    ResponderEliminar
  21. Empolgação é o nome da sua resenha, da pra ver o quanto curti o trabalho do autor e o quanto está encantada pelo enredo. Fiquei curiosa para conhecer mais a história e me animei com essa coisa de minissérie, já que ler esse g^nero não é muito meu forte.Conta mais pra gente sobre a minissérie, horários, canal que irá passar, data prevista pra estréia na TV, etc.

    bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi Simeia! Ainda não sei mais detalhes, assim que souber te aviso.
      Beijos

      Eliminar
  22. CARALEEEO! Desculpe pelo palavrão, mas... mas... sério! Que incrível! Adorei e senti uma inveja danada por você ter lido esse roteiro, Bia! Hahaha. Menina, que enredo, que criatividade e que maravilhoso saber que logo poderemos assistir a essa obra nas telas! Eu tenho um carinho enorme pelo Marcos pelo ser humano incrível que ele é. O talento dele merece ganhar o mundo e espero, sinceramente, que Mythos possa levá-lo para caminhos que o conduzirão a um grande sucesso.
    Gostei do destaque narrativo, que envolve elementos de Monteiro Lobato. Uau. Nunca imaginei que uma história tão assombrosa poderia ganhar em potencial ao trazer à tona algo tão diferente quanto isso. Aliás, gostei também de saber que o folclore nacional está presente e é valorizado em Mythos. Sério... uau! Quero muito ver o resultado desse roteiro.

    Beijos!
    www.myqueenside.com.br

    ResponderEliminar
  23. Oii,
    Eu não conhecia o autor, mas pelo oque eu li o autor e o livro parece ser muito bom, de verdade.

    Abraços!
    http://lendocomobiel.blogspot.com.br/

    ResponderEliminar
  24. Olá, minha relação com autores brasileiros pro lado o gênero horror nunca foi muito bom, então quando vejo um sempre passo a vez, mas você falou tão bem desse autor e é tão apaixonada pelas obras ele que acho que serei obrigada a dar uma chance tb
    bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi Gabriela! Eu também tive muitas decepções nacionais acerca do gênero, mas também tive muitas surpresas agradáveis. Não tenho receio em indicar o autor, é realmente bom e tenho certeza que vc também se surpreenderá.
      Beijos

      Eliminar
  25. Nossa bem legal sua resenha. E nai se preocupe deu pra sentir sua animação pela escrita rsrs.
    Sei como é quando falamos com um autor que gostamos muito ou temos esse "poder" de ler antes dos outros algum livro dele. Fico feliz por voce.
    Não e um livro que eu leria. Não az meu gênero. Mas quem sabe um dia.
    Parabens.

    Beijos.

    ResponderEliminar
  26. Olá,

    Nossa fiquei super empolgada com a obra, sério. É o tipo de história que prende minha atenção e já estou super animada. Gostaria muito de embarcar nessa história um dia.

    Grande Abraço
    oblogcaentrenos.blogspot.com.br

    ResponderEliminar
  27. Olá tudo bem?
    Me parece uma ótima obra! aguardo o lançamento!!

    www.vicio-de-leitura.com

    ResponderEliminar
  28. Oioi, beleza?
    Nossa, to impressionada com o Mythos!
    Não conhecia antes e fiquei curiosa com varias coisas que nos apresentou, foi uma surra de informaçoes hehe.
    Mas gostei mto de saber mais.
    A historia é um pouco sombria demais para mim, mas fiquei curiosa.
    Parabens pelo post.
    Beijos

    Livros e SushiFacebookInstagramTwitter

    ResponderEliminar
  29. Oie
    que legal sua resenha, acho que ainda não conhecia o livro mas super adoro o gênero e fiquei curiosa depois da sua resenha, bela dica

    Beijos
    http://realityofbooks.blogspot.com.br/

    ResponderEliminar
  30. Olá!
    Primeiramente: que resenha! Uau! Você conseguiu me passar cada palavra e sentimento, acho que fiquei empolgada com essa leitura junto com você!
    Eu ainda não conhecia o autor e nem o livro, mas achei a premissa muito original! Adorei isso de inserir elementos do nosso folclore e as referências aos personagens de Monteiro Lobato.
    Gostei bastante da história e sem dúvidas quero ler.
    Fiquei curiosa quanto à minissérie de tv, espero que fique tão boa quanto o livro!
    Beijos!

    ResponderEliminar
  31. Oiii Bia, como vai/
    Gente que resenha dos deuses é essa? Meu deus, me segura que to indo comprar HAUAHUAHAUA realmente me agradei muuito da obra, é um dos gêneros favoritos e em relação a seu comentário de contato com autor, normalmente eu sempre prefiro, da pra conversar, virar amigos, enfim né haauhauahuaua
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  32. Uau! Fiquei completamente impressionada com a sua resenha! INCRÍVEL! O livro foge um pouquinho do que eu costumo ler, mas me chamou muita atenção o enredo. Tenho a impressão de que demoraria mais que o comum pra ler, mas pelo visto vale a pena haha
    www.belapsicose.com

    ResponderEliminar
  33. Olá Bia, gostei muito da escrita do autor, ainda não tive a oportunidade de ler um gênero mais dark nacional, e com certeza é uma dica perfeita. Parabéns pela resenha. Bjkas

    ResponderEliminar
  34. Uau que post. Eu aocmpanho o trabalho do autor e o Bairro da Cripta desde o inicio é amorzinho. Estou ansiosa pelo lançamento e aós a sua resenha agora já quero, que maravilha você ter lido antes <3<3
    Mais um para a lista de ansiedades 2016! Pra nós reles mortais só esperando rs.
    Angel Sakura
    www.euinsisto.com.br

    ResponderEliminar
  35. 'Eu tinha uma imagem muito diferente de escritores. Não sabia que poderiam ser tão humanos. E ao constatar essa humanidade, confesso que alguns perderam essa facilidade de provocar fascinação em mim.' a ideia é um pouco confusa para mim, mas... Eu fiquei muito curiosa com todas as obras do autor, inclusive já abri uma aba para pesquisar sobre ele e as obras, mas, honestamente, detesto Monteiro Lobato.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Enquanto leitora, sempre imaginei que autores, todos mesmo, fossem fascinantes. Afinal, eles são capazes de mudar alguma ideia, de provocar opiniões e claro, de fazer com que o leitor viaje, conheça novos mundos, mesmo os que existem somente na imaginação do autor. Quando entrei para o meio da blogosfera, conheci um outro lado da classe. Vi autores que se usam de meios nada nobres para serem publicados, que não tem ética e acabam por boicotar colegas, que se aproveitam dos leitores e blogueiros para conseguirem divulgações. E assim, esse humanos que considerava tão fascinantes, se mostraram simplesmente... humanos. Não sei se irá me compreender, talvez não, mas isso foi realmente frustrante pra mim.
      O Marcos é o tipo de autor que além de talentoso, é ético e reconhece tanto o nosso trabalho enquanto blogueiros, quanto o seu público de leitores. E isso faz com que eu me torne mais fã ainda de seu trabalho.
      Como ressaltei na resenha, a obra tem características Lobatianas, mas com a originalidade de Terci. Não sei o aspecto que te incomoda em Lobato, se for a presença do regionalismo, realidade nacional; enfim, características da escrita mesmo, eu não te recomendo a leitura. Agora, caso seja pelas histórias que ele escreveu, afinal nem todos gostam da Emília, do Jeca e etc etc, leia sem medo, pois "O Mythos" não é releitura.
      Beijos

      Eliminar
  36. Oie, Bia, tudo bem? Ao julgar pela resenha toda e o fato de que você disse que ele é agora o seu livro favorito de todos os tempos, dá pra saber que ele é muito bom. Só não faz o meu estilo, então dessa vez eu vou deixar a dica passar.

    ResponderEliminar
  37. Olá flor, adorei a resenha, não conhecia a obra mas o gênero me despertou muito interesse, já anotei a dica!

    Abraços

    ResponderEliminar
  38. Eu não sou muito fã de livros dessa temática, mas o seu post me deixou realmente curiosa sobre a leitura, e com certeza eu vou procurar mais sobre.

    http://laoliphant.com.br/

    ResponderEliminar
  39. Eu sou fã de séries estilo suspense investigativo. Gostei muito das informações sobre o enredo.

    Quanto ao contato com autor e editoras, pensava como você "um mundo tão distante"... O blog realmente muda muito, né?

    ResponderEliminar
  40. gostei do nome,a resenha foi bem feita,tem alguma referência aos mythos de hp?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi Jonatha! Obrigada ♥ Não não, nada relacionado à HP.
      Beijinhos

      Eliminar

 
© Lua literária - Agosto/2016. Todos os direitos reservados.
Criado por: Maidy Lacerda
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo