Resenha: Duas Luas - Bruna Longobucco

20 de setembro de 2016
Título: Duas Luas
Autora: Bruna Longobucco
Editora: Publicação Independente
Ano: 2013
Páginas: 153
Skoob
Comprar: Loja Virtual | Amazon
Sinopse: Quando crianças, a mudança para a região de Canoa Velha, interior de Minas Gerais, entrelaçou os destinos de Gustavo e Clarissa. E a amizade de infância que nasceu do interesse pelos livros, um dia se transformou em amor... Porém, uma gravidez inesperada na adolescência trouxe um casamento precipitado. Com ele, vieram dificuldades e contratempos.Sentindo-se pressionada e dividida, Clarissa abandonou o marido e os filhos recém-nascidos pelo "sonho americano". Agora, cinco anos se passaram e ela está de volta procurando abrandar suas dores e dar sossego ao coração atormentado. Ela percebe, então, que ainda ama Gustavo, mas ele seria capaz de vencer as mágoas e perdoá-la?
Duas Luas é um livro que traz conflitos sociais e familiares, mas também fala de expectativas, mudanças e realizações.

 Desde que li Mais que uma Escolha fiquei ansiosa para conferir mais trabalhos da autora. 
 Em Duas Luas conhecemos a história de Gustavo e Clarissa. Gustavo é um homem negro, muito bonito, que sabe muito bem o que é passar por dificuldades na vida. 
 Quando pequeno, mudou da favela de Belo Horizonte para Canoa Velha, no interior de Minas. Seu pai era simples, procurava com a mudança para o interior, tranquilidade; já que tinha um pedacinho de terra por lá. Sua mãe não estava contente com a vida que tinha, julgava o marido por acomodado. Eram pobres e ela não se conformava com essa realidade
“O que faz morrer um relacionamento? O destino, a convivência, outro amor, novos interesses, falta de dinheiro ou só incompatibilidade de gênios? É um pouco disso ou tudo isso?” – página 99
 Assim sendo, Gustavo testemunhou de perto o que era um casamento infeliz, tendo os pais como grande exemplo. 
 Clarissa é uma linda loira, acostumada com o bom e o melhor. Foi parar em Canoa Velha também pequena, para morar com seu tio, o grande fazendeiro João. Sua mãe havia falecido e seu pai precisou fazer uma viagem. João, riquíssimo, não era lá uma pessoa muito fácil de se relacionar, por sorte tinha o primo Carlos
 Cidade pequena vocês sabem como é, não existe escola de rico e pobre. Carlos e Gustavo já eram amigos; Clarissa e Gustavo se tornaram próximos por compartilharem do mesmo gosto pelos livros. 
 O tempo passou, o sentimento entre Gustavo e Clarissa mudou de amizade para amor. Um amor proibido, já que o tio da moça não aceitava o rapaz, que era pobre e negro
 Gustavo herdou toda a simplicidade do pai, arrumou trabalho em uma papelaria local. Ganhava pouco, mas pelo menos iria aprender uma profissão. Clarissa, imatura, sonhadora e virtuosa. Apesar de tudo que passou, não tinha maturidade para crescer e perceber que nada na vida era fácil. Talvez por sonhar demais, não evitou engravidar, ainda adolescente, de Gustavo
 Então vocês pensam: sendo o tio de Clarissa tão preconceituoso, jamais ele aceitaria o casamento e tão pouco a criança, certo? Bem, aquele ditado tem caroço nesse angu faz todo sentido nessa trama. 
 João aceita o casamento do casal, porém a sobrinha e seu marido viveriam na vida humilde. Ele não ajudaria. 
 Clarissa se muda para a casinha que Gustavo divide com sua mãe. As coisas não seriam fáceis, o pai do rapaz já havia falecido, ele precisaria se desdobrar para sustentar a casa. A moça percebe que casamento não é lá como um conto de fadas, e a sogra faz o possível para deixar a vida da nora ainda mais trevosa. Para colocar mais tempero ainda na relação, o destino não mandou um bebê para o casal, mas sim DOIS: vieram gêmeos. 
 Gustavo precisava agora se multiplicar em dez. Clarissa, imatura, não suportava a realidade pobre e não conseguia cuidar dos bebês e aturar a sogra. Impulsivamente, abandonou todos, inclusive os filhos, para seguir o pai no exterior. 
 Nem preciso dizer o quanto Gustavo ficou arrasado. Por sorte, nosso protagonista conseguiu superar. 
 Herdou a papelaria em que trabalhava, conseguiu aumentar ainda mais o negócio, e cinco anos depois de todo o sofrimento, era um homem de posses. 
 Clarissa, nesse mesmo tempo, cresceu e conseguiu enxergar a realidade. Se arrependera do que fez, agora estava de volta para tomar seu lugar de mãe e quem sabe conseguir o perdão de Gustavo. 
 Poderia ele perdoar a mulher que tanto o fizera sofrer? 

Resultado de imagem para gifs lua


 Não há como não se encantar com a escrita singela de Bruna. É um romance, que tem alguns clichês, porém a autora escreve para que o leitor tire lições através de seus personagens e de seu enredo
 Mais uma vez temos Minas como cenário, apesar de Canoa Velha ser uma cidade fictícia, me senti como se estivesse viajando para o estado pela segunda vez através de suas obras. A autora resgata esse regionalismo dentro do romance, que hoje, infelizmente, está tão perdido. 
 Os personagens são humanos, muito bem construídos, únicos. Senti vontade acolher Gustavo, era como se estivesse lá presenciando toda sua dor. E quanto a Clarissa, não consegui julgá-la, pois entendi perfeitamente todas as suas inseguranças e medos. Quantas vezes não achamos que fugir pode ser a válvula que precisamos para começar de novo? 
“O que aconteceu com a gente me fez entender que as pessoas são capazes de qualquer coisa quando estão infelizes. E nem sempre é por falta de escrúpulos ou caráter.” – página 149
O enredo nos faz refletir sobre o preconceito socioeconômico, mas essa fuga da personagem feminina também traz um balde de água fria ao leitor apto ao romantismo: estamos acostumados com a figura masculina sentir medo e abandonar a mulher e filhos. Será que vamos acolhê-la da mesma forma que fazemos com os mocinhos? 
“- Não sei o que leva uma pessoa a tomar certas atitudes. Talvez o desespero. É difícil entender e aceitar, só que nem sempre a vida deixa uma escolha.” página 86
 A leitura de Duas Luas lembrou-me de O Mulato. Claro que são enredos totalmente diferentes, porém várias e várias vezes enxerguei a mesma doçura de Raimundo em Gustavo. 
 Outro aspecto da autora que preciso glorificar de pé é a revisão textual impecável e o cuidado com a língua portuguesa. A linguagem da obra é simples e regionalizada, por vezes temos diálogos em que o sotaque e bordões mineiros aparecem, porém, mesmo se tratando de uma obra publicada de forma independente, não nos deparamos com erros de português. 
 Leitura recomendada para os amantes de bons romances, mais uma vez um livro da Bruna encheu meu coraçãozinho de amor.

Nota: 5/5
Sobre a autora:
 Filha de imigrantes italianos, Bruna Longobucco nasceu em 10/04/1978, na cidade de Belo Horizonte/MG. Desde a infância interessou-se por Literatura e escrever veio como um dom natural.
 Em 2004 começou a divulgar seus trabalhos. Além de ter suas obras presentes em diversos sites literários, entre seletivas e concursos, já participou de mais de trinta antologias e de outras publicações, como artigos em jornais.
 Como autora independente, lançou seis livros: O menino que tecia sonhos (CBJE, 2004); Além das nuvens (Escritório de Histórias, 2005); Luz do sol (CBJE, 2006); O vale da liberdade (Editora Protexto, 2007); Um outro olhar (CJBE, 2008) e Sem Destino (Ixtlan, 2009).
 Graduada em Comunicação Social e Direito, Pós-graduada em Revisão de Texto, é autora de poesias, contos, crônicas, romances.
 Estou encantada com a escrita de Bruna, com toda certeza vocês terão mais resenhas de livros da autora. Já leram algo da Bruna? Conheciam a obra resenhada? Deixe seu comentário.

Beijos!!


Post por: Bia Gonçalves
Sua maior paixão são os livros que lhe fazem viajar. Odeia mesmices, por isso adora se aventurar nas páginas de uma boa fantasia e se prender a um terror daqueles de parar o coração.
18 Comentários | BLOGGER
Comentários | FACEBOOK

18 comentários:

  1. Olá, ainda não conhecia o livro, me encantei com a história gosto de livros que traz um pouco de reflexão, fiquei muito curiosa para ler e saber o desfecho da história, já vou adicionar no Skoob e procurar ele na Amazon. Amei a resenha. ;)

    www.mundofantasticodoslivros.blogspot.com

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi Camila!! Fico muito feliz que tenha gostado da resenha e que ainda pretende ler o livro. Espero que sinta as mesmas emoções que eu.
      Beeijos

      Eliminar
  2. Oi Bia!

    Não conhecia a obra, mas me pareceu um enredo forte e denso. Sou apaixonada por romances então a dica já está anotada!

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderEliminar
  3. Que premissa tensa né! Admito que não curti muito essa personagem por ter abandonado os filhos, mas sei que não podemos julgar um personagem pela sinopse, rsrs. Parece ser um livro ótimo e sua resenha ficou diva!
    http://www.leitorasvorazes.com.br/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois é Lilian, eu também fiquei meio assim "poxa uma mãe abandonar os filhos"? Mas depois pensei: por que ela faria isso? E movida pela curiosidade conheci uma linda história. Valeu a pena.
      Beijos

      Eliminar
  4. Adorei a presença do regionalismo, principalmente por eu ser mineira, rs, e a autora merece aplausos pelo livro não ter erros, tão raro. Não sei se leria, sei que não podemos julgar, mas não achei legal esse abandono dos filhos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi Ju!! Eu também não achei legal, e mesmo sabendo que absolutamente nada justifica, consegui compreender a mocinha e perdoá-la. Espero que leia, quem sabe ela também não amolece seu coração?
      Beeijos ♥

      Eliminar
  5. Oiee ^^
    Eu ainda não conhecia este livro, mas já não gostei da Clarissa. Mesmo sabendo que ela amadurece (tardiamente, mas ainda assim) e volta para tentar corrigir seus erros, eu não gosto de personagens (ou pessoas) imaturas que fogem dos problemas e das dificuldades na primeira oportunidade. Acho que eu não teria coragem para lidar com ela, apesar de ter visto que você gostou do livro, e que é bem reflexivo.
    MilkMilks ♥

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi Dryh! No geral também não gosto de pessoas que fogem, mas (sendo reflexiva), consegui me colocar no lugar desses personagens, pois muitas vezes senti vontade de fugir; principalmente quando era adolescente. E claro, quantas e quantas vezes não nos deparamos com pessoas imaturas? É realmente muito difícil filtrar rsrs.
      Não digo que não julguei Clarissa, e até mesmo a odiei. Mas é que no fim, consegui compreendê-la.
      Beeijos ♥

      Eliminar
  6. Oi... não conhecia o livro e nem a autora... achei a história interessante e me chamou bem a atenção.
    Não sei se o leria no momento, pq to meio que atrasada nas leituras de parceria, mas quem sabe mais para frente :D

    beijos
    Mayara
    Livros & Tal

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi Mayara! Estamos na mesma situação: também estou com muitos livros para ler, porém minha lista de desejos só aumenta rsrsrs.
      Obrigada!!
      Beeijos

      Eliminar
  7. Olá, tudo bem? Não conhecia a obra, mas amei conhecer. A estória parece ser um romance incrível, fiquei doida para ler. Obrigada pela dica!

    Beijos,
    Duas Livreiras / Sorteio de 3 KITS

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi Larissa!! Fico feliz que tenha despertado seu interesse e espero que leia!!
      Beijos

      Eliminar
  8. Oi Bia,
    Parece ser um livro lindo e emocionante.
    Vou querer ler.
    Adoro literatura nacional!
    Beijos
    http://estante-da-ale.blogspot.com.br/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi Alê! Como pode ver, eu super recomendo.
      Beeijos

      Eliminar
  9. Olá, não conhecia a obra, mas fiquei bastante interessada, pois sua resenha despertou minha curiosidade...ótima seleção de quotes ;)

    Abraços

    ResponderEliminar

 
© Lua literária - Agosto/2016. Todos os direitos reservados.
Criado por: Maidy Lacerda
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo